Feeds:
Posts
Comentários

Archive for fevereiro \16\UTC 2008


20160422_111811.jpg

Entre mim e mim, há vastidões bastantes
para a navegação dos meus desejos afligidos.
Descem pela água minhas naves revestidas de espelhos.
Cada lâmina arrisca um olhar, e investiga o elemento que a atinge.
Mas, nesta aventura do sonho exposto à correnteza,
só recolho o gosto infinito das respostas que não se encontram.

Virei-me sobre a minha própria experiência, e contemplei-a.
Minha virtude era esta errância por mares contraditórios,
e este abandono para além da felicidade e da beleza.
Ó meu Deus, isto é minha alma:
qualquer coisa que flutua sobre este corpo efêmero e precário,
como o vento largo do oceano sobre a areia passiva e inúmera…

Read Full Post »

20160422_111811Por que o raciocínio,
os músculos, os ossos?
A automação, ócio dourado.
O cérebro eletrônico, o músculo
mecânico
mais fáceis que um sorriso.

Por que o coração?
O de metal não tornará o homem
mais cordial,
dando-lhe um ritmo extra-
corporal?

Por que levantar o braço
para colher o fruto?
A máquina o fará por nós.
Por que labutar no campo, na cidade?
A máquina o fará por nós.
Por que pensar, imaginar?
A máquina o fará por nós.
Por que fazer um poema?
A máquina o fará por nós.
Por que subir a escada de Jacó?
A máquina o fará por nós.

Ó máquina, orai por nós.

 

 

Read Full Post »

20160422_111811.jpgA poesia chegou me procurando.
Eu não sei, não sei de onde ela veio,
se de um inverno ou de um rio.
Eu não sei como nem quando.
Não, não eram vozes,
não eram palavras, nem silêncio;
mas de uma rua eu fui chamado abruptamente
dos ramos da noite, dos outros,
no meio de um tiroteio violento,
e num retorno solitário lá estava eu
sem um rosto… e ela me tocou.

Read Full Post »

20160422_111811.jpgO sentido normal das palavras não faz bem ao poema.
Há que se dar um gosto incasto aos termos.
Haver com eles um relacionamento voluptuoso.
Talvez corrompê-los até a quimera.
Escurecer as relações entre os termos em vez de
aclará-los. Não existir mais reis nem regências.
Uma certa luxúria com a liberdade convém

 

Read Full Post »

20160422_111811.jpgOs olhos tocam primeiro,
mas as palavras por fim.

Mas as palavras repousam,
e os olhos devem seguir.

Os olhos sabem primeiro,
mas as palavras recolhem.

Mas as palavras não colhem
do campo o que os olhos colhem.

Os olhos querem o tempo,
mas as palavras já têm.

Mas nas palavras não cabe
dos olhos esse não caber.

Os olhos olham as palavras,
mas as palavras entoam.

Mas as palavras retornam,
e os olhos nascem além.

Entre olhos e palavras
não fique ânsia ou vagar:

distâncias mudas e cegas
tocam-se, para ver cantar.

  

Read Full Post »

Nada vos oferto
além destas mortes
de que me alimento

20160422_111811.jpg

Caminhos não há
Mas os pés na grama
os inventarão

Aqui se inicia
uma viagem clara
para a encantação

Fonte, flor em fogo,
quem é que nos espera
por detrás da noite ?

Nada vos sovino:
com a minha incerteza
vos ilumino

Read Full Post »

20160422_111811a parte mais efêmera

                    de mim

é esta consciência de que existo

e todo o existir consiste nisto

é estranho!

e mais estranho

                    ainda

        me é sabê-lo

e saber 

que esta consciência dura menos

que um fio de meu cabelo

e mais estranho ainda

                    que sabê-lo

é que

                         enquanto dura me é dado

        o infinito universo constelado

        de quatrilhões e quatrilhões de estrelas

sendo que umas poucas delas

posso vê-las

                    fulgindo no presente do passado

 

Read Full Post »

Older Posts »